Semana do Calçado está com inscrições abertas

O site da Associação Brasileira das industrias de Calçados( Abicalçados ) informa:

“Pelo terceiro ano consecutivo, Novo Hamburgo/RS terá uma programação especial voltada ao setor coureiro-calçadista. Neste ano, a Semana do Calçado estará maior. Até porque não será mais apenas uma semana, e, sim, oito dias com atividades entre 16 e 27 de setembro. Algumas das iniciativas realizadas pelas entidades do setor já estão com as inscrições abertas pelo site www.semanadocalcado.com.br. Em oito dias, sete atividades foram programadas pelo IBTeC e pelo Sebrae, em parceria com a Abicalçados, Assintecal, Abrameq, CICB, Fenac e Couromoda. O presidente-executivo do IBTeC, Paulo Griebeler, comenta que esta é uma oportunidade única para o setor, promovendo a competitividade e sustentabilidade.

Atividades desta edição
16 de setembro (domingo), IBTeCHDay, das 8 às 19 horas – O IBTeC traz mais uma inovação para sua maratona de desafios tecnológicos, o IBTeCHDay. Agora, o evento aceitará inscrições de todo o Pais, e as participações poderão ser feitas no formato on-line.

18 e 19 de setembro (terça e quarta-feira), Materioteca Original By Brasil, das 13h30 às 17 horas – Tem como objetivo apresentar materiais dos associados da Assintecal, auxiliando empresas na busca por novos fornecedores e inspirações para as coleções. Os atendimentos serão individuais e agendados, antecipadamente.

19 de setembro (quarta-feira), Seminário Comercial, das 8 às 10 horas – Evento que visa a oportunizar aos profissionais da indústria e do varejo de calçados do Vale do Sinos o acesso a informações sobre os novos conceitos que estão mudando o perfil do segmento produtivo e da venda do calçado, no Brasil e em outros países. O palestrante Ricardo Felipe Lemos falará sobre “Estratégias Inteligentes: transforme dificuldades em vendas”.

24 de setembro (segunda-feira), FF Meeting, das 13h30 às 15h30 – Encontro de entidades representativas do setor coureiro-calçadista e entidades de setores afins, com o objetivo de criar engajamento e debater a Indústria 4.0 no Brasil e no mundo.

25 de setembro (terça-feira), Análise de Cenários, das 18h30 às 20h30 – O objetivo do encontro com lideranças e empresários do setor é debater o cenário econômico, político e social para o mercado em 2019, contextualizando o setor calçadista.  O encontro será conduzido pelo doutor em economia e professor do Programa de Pós-Graduação em Economia da Unisinos Marcos Lélis.

26 de setembro (quarta-feira), Fórum IBTeC de Inovação, das 16h30 às 21 horas – Disseminar a cultura de inovação, a fim de preparar, instigar e inspirar as empresas brasileiras dos setores de calçado, couro, materiais, confecção, têxtil e EPI para o desenvolvimento de novas tecnologias, produtos e serviços, proporcionando diferenciais competitivos para a indústria nacional.

27 de setembro (quinta-feira), FF Exchange (foto), das 14 às 17 horas – O FF Exchange é uma rodada de negócios que tem o objetivo de fomentar relacionamento entre empresas e fornecedores do setor coureiro-calcadista visando a geração de negócios que solucionem os gargalos do setor.

Mais informações e inscrições para os eventos em www.semanadocalcados.com.br.”

 

Referências:“Semana do Calçado está com inscrições abertas ” .    Disponível em:”http://www.abicalcados.com.br/noticia/semana-do-calcado-esta-com-inscricoes-abertas” Acesso em: 30 de Agosto de 2018.

MERCADO FRANCÊS NA MIRA DOS CALÇADISTAS

Resultado de imagem para mercado frances

O site da Associação Brasileira das industrias de Calçados(Abicalçados) informa:

“Movimentando mais de 150 bilhões de euros por ano, o mercado da moda francês entrou no radar dos calçadistas brasileiros. Foi com o objetivo de destacar as principais características da sexta maior economia mundial que a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), por meio do Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações de calçados mantido em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), realizou um estudo estratégico que foi apresentado hoje, dia 23, na sede da entidade, em Novo Hamburgo/RS.

Na oportunidade, Didier Koch, diretor da Altios International, empresa que realizou o Estudo junto à Abicalçados, destacou que o comportamento do consumidor francês é diferente do brasileiro e que é necessária uma adaptação de produto para almejar sucesso no concorrido mercado local. “A sugestão é focar a atuação mais no interior da França, onde o consumidor é mais aberto a calçados diferenciados. Em Paris, além de existir uma concorrência muito forte com grandes marcas, o consumidor é mais clássico, mais conservador”, comenta. Segundo ele, o mercado local, de uma maneira geral, tem predileção por calçados de couro, sendo que mais da metade dos produtos importados são confeccionados com esse material. “Existe um nicho de calçados sintéticos, mas é voltado para o discurso vegano”, afirma.
Pesquisa
Durante a realização do estudo, Koch conta que foi feito um levantamento com mais de 300 consumidores e formadores de opinião franceses. “O principal atributo de decisão de compra do francês é Design, seguido de conforto, qualidade e preço, sendo que 70% dos respondentes dizem preferir calçados de couro, aceitando pagar mais por isso”, detalha. Outro dado importante, segundo o executivo, é de que o consumidor local não tem conhecimento de marcas brasileiras, o que abre um campo importante a ser explorado. “As pessoas relacionam o calçado brasileiro a chinelos, produto basicamente para o verão”, comenta.
Dicas
Segundo Koch, além de investir em comunicação, especialmente em redes sociais, a marca brasileira que deseja uma inserção mais forte naquele mercado, precisa adaptar seus produtos de acordo com o mercado, mais clássico em Paris e – um pouco – mais descontraído no interior.
A pesquisa levantou, ainda, a percepção dos compradores sobre os negócios com o Brasil. Entre os pontos fortes, estão um calçado de couro de qualidade e com preço competitivo. Já os fracos apontam para um design não adaptado ao gosto francês, altos custos com transporte, variação cambial e comunicação insuficiente com o mercado. Outro ponto levantado foi que, em muitos casos, a empresa brasileira passa o valor FOB do produto, somente depois comunicando os custos com transportes e tarifas de importação. “É importante comunicar tudo antes de qualquer negociação”, alerta o executivo.
Missão prospectiva
Com o objetivo de verificar, in loco, os levantamentos apontados pelo estudo, uma equipe da Abicalçados foi até a França no final de novembro passado.
Segundo a coordenadora de Promoção de Imagem da entidade, Alice Rodrigues, foram realizadas visitas a hotéis para possíveis showrooms, pontos de venda, feiras do setor, agências de Relações Públicas e embaixadas. “Concluímos que o mercado feminino está saturado de marcas, independente da origem – embora na França não seja obrigatória a comunicar a origem do produto, os importadores costumam informar, especialmente se a mercadoria não for asiática. No varejo parisiense, os preços são constantes e a preferência se dá por modelos com cores neutras, saltos médios e sem muito apelo criativo”, conta.
Já o segmento masculino é todo dominado pelos produtos clássicos, porém com aumento do mercado de esportivos, mas ainda pouco espaço para casuais. O infantil, por sua vez, não traz a ludicidade dos calçados brasileiros, tendo um estilo mais ortopédico e “duro”.
Próximos passos
Alice conta que os próximos passos serão identificar empresas que desejam entrar – ou aumentar a inserção – naquele mercado. “Hoje já estamos trabalhando a França no âmbito do Projeto Comprador Vip, sendo que o objetivo é trazer grandes compradores para o Brasil ainda este ano”, adianta.
Além disso, a Abicalçados busca a contratação de uma agência de Relações Públicas naquele mercado, bem como uma empresa para a realização de matchmaking – reuniões pré-agendadas com compradores locais na França. “Em junho, também teremos um evento de relacionamento com compradores franceses durante a Expo Riva Schuh, em Riva Del Garda (Itália)”, conclui.
A apresentação do Estudo vem sendo realizada durante todo o mês de março, já tendo passado pelos polos calçadistas de Nova Serrana/MG, Franca/SP, Birigui /SP e São João Batista/SC. Na próxima terça-feira, 27, o evento será realizado em Três Coroas/RS.
Sobre o Brazilian Footwear:
Brazilian Footwear é um programa de incentivo às exportações desenvolvido pela Abicalçados em parceria com a Apex-Brasil. Este programa tem por objetivo aumentar as exportações de marcas brasileiras de calçados através de ações de desenvolvimento, promoção comercial e de imagem voltadas ao mercado internacional. Conheça: www.brazilianfootwear.com.br| www.abicalcados.com.br/brazilianfootwear
Sobre a Apex-Brasil:

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Para alcançar esses objetivos, a Apex-Brasil realiza ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil. Conheça: www.apexbrasil.com.br”

  • Referências:“Mercado francês na mira dos calçadistas”, 2018.Disponível em:”http://www.abicalcados.com.br/noticia/mercado-frances-na-mira-dos-calcadistas” Acesso em: 26 de março de 2018.

EM NOVEMBRO, BRASIL REGISTRA QUEDA NAS EXPORTAÇÕES DE CALÇADOS

Resultado de imagem para queda em exportaçoes

O site da Associação Brasileira das industrias de Calçados(Abicalçados) informa:

“Dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) apontam que no mês de novembro os calçadistas exportaram 9,88 milhões de pares que geraram US$ 83,43 milhões, números menores tanto em volume (-10,6%) quanto em valores (-0,9%) em relação ao mês 11 do ano passado. No acumulado, de janeiro a novembro, as exportações seguem positivas tanto em volume (+2,1%) quanto em valores (+11,9%) no comparativo com igual período de 2016. Nos 11 meses foram embarcados 109,86 milhões de pares por US$ 973,58 milhões.

Conforme o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein, os resultados de novembro ainda são reflexo do encarecimento do calçado brasileiro, que passou de um preço médio de US$ 7,60 para US$ 8,50 entre novembro de 2016 e o mês passado. “Com a valorização recente do real sobre o dólar, nosso calçado ficou com preço menos competitivo, o que tem impacto direto nas exportações, especialmente para países mais sensíveis a preço, caso dos Estados Unidos”, explica o executivo. Os Estados Unidos são o principal destino do calçado brasileiro no exterior e vem perdendo espaço na pauta exportadora nacional desde o início do ano. Entre janeiro e novembro, os norte-americanos importaram 9,88 milhões de pares por US$ 170,18 milhões, quedas de 13,3% em volume e de 12,7% em receita no comparativo com igual período do ano passado.

Equador
Além da queda para os Estados Unidos, Klein ressalta que o valor negativo em novembro ainda é reflexo dos problemas nas exportações para o Equador. Desde setembro deste ano o país vizinho vem sobretaxando os calçados brasileiros, contabilizando uma tarifa de 10% + US$ 6 por par, em função de um problema sanitário das bananas importadas de lá pelo Brasil o que, segundo autoridades brasileiras, impede a liberação das importações pelo risco de contaminação dos bananais locais. “A solução está pendente de negociação, mas o fato é que nossos associados reportaram mais de 500 mil pares e US$ 6 milhões impactados pela medida, sobretaxados na aduana equatoriana”, conta Klein.

Origens
O maior exportador brasileiro de calçados segue sendo o Rio Grande do Sul. Entre janeiro e novembro, os gaúchos embarcaram 25,38 milhões de pares que geraram US$ 406,86 milhões, altas de 0,3% e 6,3%, respectivamente, na relação com igual período do ano passado.

O segundo exportador do período foi o Ceará, que embarcou 41 milhões de pares por US$ 245,82 milhões, altas de 3,4% e 8,5%, respectivamente.

No mesmo comparativo, o terceiro exportador foi São Paulo, de onde partiram 7 milhões de pares que geraram US$ 106,47 milhões, queda de 18% em volume e incremento de 8% em receita na relação com 2016.

Importações
Assim como as exportações, as importações também aumentaram no período compreendido entre janeiro e novembro. No intervalo, entraram no Brasil 22,78 milhões de pares pelos quais foram pagos US$ 323,32 milhões, altas de 8% em pares e de 1,2% em dólares na relação com igual período de 2016.

As principais origens das importações seguem sendo os países asiáticos, que responderam por mais de 90% do total importado.  No período, o Vietnã exportou para o Brasil 10,35 milhões de pares pelos quais foram pagos US$ 179,2 milhões, altas de 8,4% em volume e de 1,9% em dólares no comparativo com mesmo ínterim de 2016.

A segunda origem dos embarques foi a Indonésia, de onde partiram rumo ao Brasil 3,84 milhões de pares por US$ 63 milhões, alta de 1,2% em volume e queda de 9% em receita na relação com o ano passado.

O terceiro maior exportador de calçados para o Brasil foi a China, que embarcou 5,45 milhões por US$ 29,55 milhões, quedas de 1,3% e de 13%, respectivamente, no comparativo com igual período de 2016.

Em partes de calçados – cabedais, palmilhas, solas, saltos etc – as importações chegaram a US$ 38 milhões no período, queda de 0,8% em relação ao mesmo período de 2016. As principais origens foram China, Vietnã e Paraguai.”

Referências:Em novembro, Brasil registra queda nas exportações de calçados, 2017.Disponível em:”http://www.abicalcados.com.br/noticia/em-novembro-brasil-registra-queda-nas-exportacoes-de-calcados” Acesso em: 06 de dezembro de 2017.

ABICALÇADOS REALIZA MISSÃO PROSPECTIVA NA FRANÇA

Imagem relacionada

O site da Associação Brasileira das industrias de Calçados(Abicalçados) informa:

“Com um consumo de mais de 400 milhões de pares de calçados por ano – mais de 6 pares per capita e volume praticamente todo importado, especialmente da Itália – a França vem chamando a atenção dos calçadistas brasileiros. É com o objetivo de entender melhor o mercado, a estrutura do varejo e o modelo de promoção comercial mais acertado para os calçadistas brasileiros que a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), por meio do programa de apoio às exportações de calçados Brazilian Footwear, está realizando uma missão prospectiva ao país entre os dias 25 de novembro e 3 de dezembro. O Brazilian Footwear é desenvolvido em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

A gestora de Projetos da Abicalçados, Roberta Ramos, conta que, no período, estão agendadas reuniões com redes de varejos locais, distribuidores, agências de relações públicas e hotéis – para a possível realização de showrooms. “Além disso, está em andamento e deve ser entregue até o final deste ano, um estudo detalhado sobre o mercado francês”, adianta.

Segundo a gestora, atualmente a França é o terceiro principal destino do calçado brasileiro no exterior, mas compra, basicamente, chinelos, ou seja, produtos de menor valor agregado. “O objetivo é, entendendo melhor o comportamento do consumidor francês através do estudo e da missão, passar a exportar calçados com maior valor agregado, aumentando o preço médio e aproveitando com maior eficácia o potencial daquele mercado”, comenta Roberta.

Números
No ano passado a França importou 9 milhões de pares de calçados verde-amarelos, o que gerou US$ 56 milhões, altas de 5,3% em volume e 2% em receita no comparativo com 2015. Nos primeiros dez meses de 2017, os franceses já importaram 4,5 milhões de peças por US$ 45 milhões, queda de 30,3% em volume e alta de 4,7% em receita no comparativo com igual período do ano passado. “Essa disparidade se dá porque a França já vem, aos poucos, importando calçados brasileiros de maior valor agregado. Neste ano o preço médio do produto exportado para lá aumentou de US$ 6 para US$ 10”, explica Roberta.

A França é mercado-alvo do programa Brazilian Footwear ao lado dos Estados Unidos, China, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Colômbia.

Sobre o Brazilian Footwear:
Brazilian Footwear é um programa de incentivo às exportações desenvolvido pela Abicalçados em parceria com a Apex-Brasil. Este programa tem por objetivo aumentar as exportações de marcas brasileiras de calçados através de ações de desenvolvimento, promoção comercial e de imagem voltadas ao mercado internacional. Conheça: www.brazilianfootwear.com.br www.abicalcados.com.br/brazilianfootwear

Sobre a Apex-Brasil:
A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos  (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Para alcançar esses objetivos, a Apex-Brasil realiza ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil. Conheça:

www.apexbrasil.com.br 

Referências:Abicalçados realiza missão prospectiva na França, 2017.Disponível em:”http://www.abicalcados.com.br/noticia/abicalcados-realiza-missao-prospectiva-na-franca” Acesso em: 28 de novembro de 2017.”