Instituto By Brasil promove palestra gratuita sobre produtividade

Resultado de imagem para instituto By Brasil promove palestra gratuita sobre produtividadeO site da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal): 

“Clínica é destinada a micro e pequenas empresas e abordará dicas para a gestão do tempo

Gerar conhecimento para empresas da região através de encontros gratuitos é o objetivo das clínicas ofertadas pelo Instituto By Brasil (IBB) em parceria com o Sebrae/RS. Com o tema “Gestão do Tempo para Aumento de Produtividade”, a próxima atividade acontecerá dia 29 de agosto, às 9 horas, na Assintecal, em Novo Hamburgo/RS.
Na oportunidade, o consultor Rodrigo Kayser Schwertner, engenheiro de produção, falará sobre estratégias para uma melhor organização do tempo, dando dicas para análise e priorização das ações, como envolver a equipe e utilizar ferramentas adequadas para auxiliar neste processo.“Nesta clínica iremos refletir sobre o que, de fato, necessitamos fazer em nosso dia a dia para dar conta dos compromissos que firmamos. Focaremos no cotidiano profissional, analisando situações e formas de abordagem. Serão trabalhados quatros passos simples para que o participante aumente a sua produtividade e alcance seus objetivos e compromissos”, destaca o consultor Kayser.
A clínica é totalmente gratuita e destinada a micro e pequenas empresas, sendo obrigatório CNPJ para participar. Inscrições pelo e-mail consultorias@institutobybrasil.org.br, informando Razão Social, CNPJ, nome e CPF do participante, telefone e e-mail.
Quando e onde:
29 de agosto às 9hs
Assintecal – Rua Júlio de Castilhos, 526 – Centro, Novo Hamburgo – RS

Evento gratuito”

Referências:“Instituto By Brasil promove palestra gratuita sobre produtividade”.

Disponível em:”https://www.assintecal.org.br/noticias/780/instituto-by-brasil-promove-palestra-gratuita-sobre-produtividade”

Acesso em: 15 de agosto de 2018.

CRESCE INVESTIMENTOS EM SÃO PAULO E INDÚSTRIA LIDERA TOMADA DE CRÉDITO

Resultado de imagem para cresce investimentos

O site da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal):

“A economia do Estado de São Paulo está se recuperando mais rápido do que se previa. É o que mostra o balanço anual da Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP). A instituição financiou 25% mais em 2017 do que em 2016, registrando R$ 352,7 milhões em desembolsos no período. Com destaque para o setor da indústria, responsável por quase metade do valor financiado. Houve também um expressivo aumento do número empresas atendidas e dos financiamentos para capital de giro, que foi fundamental para as pequenas empresas manterem suas operações durante a crise.

“Esperávamos uma recuperação gradual, com um crescimento mais tímido em 2017 e mais forte em 2018. A alta de 25% foi ótima, resultado de um trabalho intenso de incentivo ao empreendedorismo ao longo do ano, sempre alinhado às políticas de desenvolvimento do governo estadual, e da melhora dos números da macroeconomia”, diz Milton Luiz de Melo Santos, economista e presidente da Desenvolve SP.
Recuperação em todos os setores
A indústria demandou R$ 160,5 milhões em financiamentos nos últimos doze meses contra R$ 88,6 milhões em 2016, um crescimento de 79%. Entre as empresas prestadoras de serviço o aumento foi de 69%. Foram R$ 122,4 milhões contraídos em empréstimos ao longo de 2017 contra R$ 72,3 milhões em 2016. A maior variação positiva, no entanto, foi apresentada pelo comércio que saltou de R$ 15 milhões investidos em 2016 para R$ 36,7 milhões no ano passado, apontando alta de 145%. O restante dos desembolsos realizados pela agência no último ano, o equivalente a R$ 33 milhões, foram destinados para atender necessidades do setor público.
“Com as quedas sucessivas da taxa básica de juros, o crédito mais barato e um recuo significativo da inflação, as empresas voltaram a investir para se prepararem para o reaquecimento da economia”, explica o economista. Em relação aos tipos de investimentos realizados em 2017, o crédito para projetos de longo prazo, fundamental para a consolidação das empresas, representou 57% dos R$ 352,7 milhões desembolsados pela Desenvolve SP. Os outros 43% foram demandados para capital de giro, financiamento para reposições de estoques, compras de matéria-prima e outras despesas operacionais.
Mais empresas financiadas
Ainda segundo o balanço, o número de empresas que buscaram a Desenvolve SP mais que dobrou, passando de 250 em 2016 para 543 em 2017. Quanto ao porte das empresas, 33% dos recursos atenderam as necessidades dos pequenos negócios, 55% dos médios e 12% das grandes empresas. Em relação ao destino dos financiamentos, o interior paulista continua sendo responsável por demandar a maior parte dos empréstimos da agência, injetando R$ 228,7 milhões na economia entre janeiro e dezembro do último ano. Os outros R$ 124 milhões foram investidos pela Região Metropolitana de São Paulo.
Inovação e Sustentabilidade
Os financiamentos para inovação e sustentabilidade, que também cresceram, são outros destaques do balanço. Ao todo, as PMEs investiram R$ 49 milhões em projetos inovadores e R$ 36 milhões em projetos verdes, representando 14% e 10% do total desembolsado no ano, respectivamente.  “São números que mostram maior maturidade do empresário, cada vez mais consciente de que incorporar inovações e práticas sustentáveis à cadeia produtiva e de prestação de serviços é fundamental para garantir o crescimento e a perenidade do negócio”, acrescenta Santos.Para saber mais acesse: www.desenvolvesp.com.br

Fonte: Textilia.net”

Referências:Cresce investimentos em São Paulo e indústria lidera tomada de crédito, 2018.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticias/372/cresce-investimentos-em-sao-paulo-e-industria-lidera-tomada-de-credito” Acesso em: 02 de março de 2018.

PRODUTOS E NEGÓCIOS MARCAM O INSPIRAMAIS VERÃO 2019

Resultado de imagem para inspiramais 2018

O site da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal):”No meio de tantas inovações, 148 empresas apresentaram seus produtos para o público visitante voltados à moda calçadista, confeccionista e moveleira.

 

Para a Vicunha Têxtil, o evento foi além das expectativas. Maria Carol Guardia, marketing da empresa contou que “foi muito bacana! Percebemos que houve um aumento de movimento e, principalmente, a busca por vestuário. Nós ampliamos o relacionamento com nichos de mercado e nossa carteira se ampliará para a região Sul e de Minas Gerais. O Inspiramais superou nossa expectativa”.

Silvio Martins, gerente de marketing da Cipatex, enalteceu o que chamou de internacionalização do Inspiramais: “O evento cresceu e tomou um cunho comercial novo e uma referência real em pré-design. Já estamos em padrão internacional, comparado a qualquer feira de Milão e demais países da Europa. Recebemos a visita dos grandes players do mercado e caravanas de diversos estados do país, além do mix de negócios que pudemos prospectar. A parte de atendimento às empresas internacionais também foi muito expressiva e personalizada”.

A Britânnia Têxtil também elogiou a edição: “O Inspiramais é sempre muito bom e traz pessoas com intenção real de negócios. Teremos que ampliar a equipe para a próxima edição”, comentou Laura Redende, gerente de expansão.

 

Fonte: Agência Capsula”

Referências: Produtos e negócios marcam o Inspiramais Verão 2019, 2018.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticias/232/produtos-e-negocios-marcam-o-inspiramais-verao-2019” Acesso em: 26 de janeiro de 2018.

ESTÁ MAIS FÁCIL EXPORTAR PARA A COLÔMBIA

Resultado de imagem para exportação para colombia

O site da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assinteca):

“As empresas brasileiras já podem exportar para a Colômbia pagando menos tarifas. Isso porque a Colômbia ratificou dia 20/12 o acordo firmado com os governos dos países que compõem o Mercosul: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

O acordo beneficia as exportações brasileiras e melhora as condições de acesso do Brasil ao mercado colombiano. As preferências estabelecidas pelo documento em setores como têxtil e siderúrgico, por exemplo, permitirão que esses produtos entrem no país sem precisarem pagar imposto de importação.

Fonte: Apex-Brasil”

Referências:Está mais fácil exportar para a Colômbia, 2017.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticias/138/esta-mais-facil-exportar-para-a-colombia” Acesso em: 08 de janeiro de 2018.

SNEAKERS: ÍCONES DENTRO E FORA DAS QUADRAS ESPORTIVAS

Resultado de imagem para SNEAKERS

O site da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal):

“Pode até parecer uma matéria esportiva, mas não é! Michael Jordan, considerado por muitos como o melhor jogador de basquete de todos os tempos, e Stan Smith – venceu o US Open, em 1971, e Wimbledon, em 1972 – se tornaram referências dentro e fora das quadras, mas também nos pés de muita gente.

Jordan e Smith inspiraram a criação de dois modelos de tênis, literalmente, icônicos: Nike Air Jordan 1 e Adidas Stan Smith, respectivamente. Nesta temporada, o universo esportivo invadiu o mundo da moda e estes calçados, hoje, viraram sinônimo de tendência.

Nike Air Jordan – Sneaker inspirado no gênio do basquete

Desde que foi inventado, em 1891, o basquet nunca tinha visto um gênio como Michael Jeffrey Jordan, o maestro do Chicago Bulls, onipresente em toda a quadra, capaz de parar por intermináveis segundos no ar antes de encestar a bola. Foi esta habilidade, sobrenatural segundo seus adversários, que há mais de 30 anos levou o marqueteiro de Jordan, David Falk, a bater às portas da Nike, em Oregon, propondo a criação do Air Jordan, que viria a ser uma espécie de “Cadillac” dos tênis esportivos.

O “J”, como é chamado, não é apenas um par de tênis. Aos pés do seu criador, tornou-se um divisor de águas: ajudou a levar o basquete às multidões, elevou a autoestima de milhões de negros norteamericanos que não teriam outra ferramenta de mobilidade social, e gerou uma revolução no marketing esportivo, que culminou com o slogan, conhecido no mundo todo: “Just Do It”.

Desde que entre dois pares de tênis de basquete vendidos nos Estados Unidos, um é “Air”, a consultoria SportsOneSource calcula que Jordan ainda seja o responsável por US$ 2,7 bilhões dos quase US$ 27,7 bilhões que a Nike gera anualmente, a partir da empresa de Beaverton, no Estado de Oregon, que até os anos 1980 era uma obscura fábrica nascida no porta-malas de uma van.

 

O sobrenome do atleta batiza uma divisão de produtos na companhia que vende calçados e roupa inspirados no basquete. “O Air Jordan 1 é considerado, por muitos, o mais importante calçado da cultura dos tênis”, afirma Ricardo Nunes, editor e fundador do site especializado em tênis SneakersBR.

Ele revela que o modelo foi banido das quadras da NBA, na época do seu lançamento, e virou uma febre tão grande entre os fãs de Michael Jordan que Nike e a rede FootLocer tiveram de entrar em acordo, lançando novas cores somente aos sábados. “Isso para que a molecada não perdesse aula para fazer fila nas lojas, à espera do tênis”, comenta, acrescentando que o Nike Air Jordan 1 não virou um calçado tão inspiracional para o nascimento de modelos ‘genéricos’. “Mas, nem por isso, ele deixa de se conectar com adeptos da moda mais iniciados nas culturas esportiva e de rua”, completa Nunes.

Adidas Stan Smith – legião de fãs

Branco e verde. Com simplicidade aplicada em sua paleta de cores e na concepção do design, nascia o Stan Smith, o tênis mais marcante da adidas e um dos mais importantes calçados do segmento. Rappers, punks, DJs, designers, atores hollywoodianos, pais, mães, avós e netos. Ao longo dos seus 53 anos de história, os Smiths conquistaram todos os públicos, e hoje é muito difícil olhar para eles e não lembrar alguma história em que estiveram presentes.

A fórmula é simples: cabedal liso em couro de grão integral, as famosas “três listras perfuradas” e o solado tonal de borracha foram suficientes para fazer deste cano baixo um objeto de desejo. “O Stan Smith nasceu nas quadras de tênis e já viveu altos e baixos, mas nunca perdeu sua importância. As linhas são simples mas, ao mesmo tempo, sofisticadas, e a execução mais clássica – em couro liso branco, com detalhes verdes – é daquelas que vai bem com tudo”, detalha Nunes.

Desde o momento em que o primeiro par de Adidas Stan Smith foi exposto em uma vitrine, 40 milhões de caixas com o modelo foram vendidas em todo o mundo e, recentemente, com sua nova inserção no mercado após uma pausa de um ano, o modelo vendeu em 12 meses mais do que entre o período de 2010 a 2013.

 

Sempre que questionado sobre o sucesso do modelo, Stan Smith, tenista profissional que deu nome ao tênis, diz que o design simples e as cores básicas são os grandes responsáveis pelo sucesso do
calçado através dos tempos.

Originalmente nomeado de Halliet, em homenagem ao tenista francês Robert Halliet, o modelo nasceu em 1963, destinado aos esportistas das raquetes. Somente em 1978, quando rebatizado, recebeu o nome de Stan Smith, que atingiu o primeiro lugar no ranking mundial de tênis em 1972.

A partir de 1978, variação nas cores foram oferecidas. De lá para cá, combinações inusitadas, estampas e materiais diferenciados, como camurça e malha, entraram em cena, acompanhando as tendências da moda.”

Referências:Sneakers: ícones dentro e fora das quadras esportivas, 2017.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticias/102/sneakers-icones-dentro-e-fora-das-quadras-esportivas” Acesso em: 08 de dezembro de 2017.”

FEIRA ZERO GRAU ABRE COM NÚMEROS RECORDES

Zero Grau - Feira Zero Grau

O site da Associação Brasileira das industrias de Calçados(Abicalçados):

“Com mais 1,2 mil marcas de calçados e acessórios, o Serra Park, em Gramado/RS, recebe, a partir de hoje (20), a feira Zero Grau. Os números impressionam para a jovem mostra gaúcha, que está na sétima edição com lançamentos das coleções de outono-inverno e encerra na próxima quarta-feira (21).

Em coletiva de imprensa realizada no primeiro dia do evento, o diretor da Merkator, promotora da feira, Frederico Plestch, ressaltou que a Zero Grau vem crescendo ano após ano. Nesta edição são esperados mais de dois mil lojistas de todo o Brasil, além de 200 importadores de 35 países. “São números recordes. No ano passado, quando começamos a organizar a feira, em meio às trovoadas da crise política e econômica, estipulamos a meta de empatar com a Zero Grau de 2017. O surpreendente é que a mostra cresceu em mais de mil metros quadrados, algo em torno de 8%”, comemorou, acrescentando que, desde 1974, quando começou a trabalhar no setor, este foi o resultado mais “surpreendente”, por todo o contexto econômico envolvido.

Para Pletsch, o sucesso da feira demonstra que a economia, especialmente a iniciativa privada, conseguiu se descolar da crise política. “Vivemos um problema político grave, que pode piorar no próximo ano, mas a boa notícia é que está havendo crescimento econômico”, conclui.

ABICALÇADOS

A Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados) participa da Zero Grau com o Projeto Imagem, que nesta oportunidade trouxe três jornalistas estrangeiros para conhecer – e divulgar – o calçado brasileiro. A iniciativa, viabilizada através do Brazilian Footwear, programa de apoio às exportações de calçados realizado em parceria com a Agência de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), trouxe os jornalistas Aldo Delfino (Revista Serma) e Maurício Herzovich (Portal CueroAmerica), da Argentina, e Timashova Natalia (Shoes Report), da Rússia.

A Zero Grau é uma promoção da Merkator Feiras e Eventos apoiada pelos sindicatos das indústrias de Estância Velha, Ivoti, Igrejinha, Novo Hamburgo, Parobé, Sapiranga e Três Coroas.”

Referências:Feira Zero Grau abre com números recordes, 2017.Disponível em:”http://www.abicalcados.com.br/noticia/feira-zero-grau-abre-com-numeros-recordes” Acesso em: 21 de novembro de 2017.”

CONFIRMADO PARA OS DIAS 16 E 17/01, INSPIRAMAIS ANTECIPARÁ VERÃO 2019 EXALTANDO SUSTENTABILIDADE

O site da Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal):

“Único salão de Design e Inovação de materiais da América Latina irá reunir fabricantes nacionais e internacionais de roupas, calçados, joias, móveis e outros segmentos para alinhamento de coleções e abertura de novos negócios.

Em janeiro, os principais fabricantes de moda e design do Brasil, Europa e América Latina terão a oportunidade de conferir no mesmo espaço as referências que irão inspirar o verão 2019, além do lançamento de mais de 900 materiais para a estação, entre componentes, tecidos, estampas, sintéticos, couros, saltos, enfeites, aviamentos e outros itens: é o Inspiramais, que chega a mais uma edição nos dias 16 e 17 de janeiro no Centro de Eventos Pró-Magno, em São Paulo.

Com entrada gratuita para profissionais do setor, o Inspiramais tem o desafio de buscar e fortalecer o desenvolvimento de produtos com identidade 100% brasileira, num momento que a indústria entra em contato com as matérias primas para os segmentos de calçado, confecção, têxtil, componentes, móveis, joias e outros setores produtivos, que buscam inspiração para o desenvolvimento de suas coleções.

“O Salão Inspiramais é ponto de encontro de estilistas e designers de todos os segmentos da cadeia da moda. A cada estação, novos materiais para confecção, calçados, bolsas e cintos, bijuteria e mobiliário estão aqui à sua espera. São muitas empresas prontas para lhe mostrar novos caminhos. Venha se inspirar”, conta Walter Rodrigues, Coordenador do Núcleo de Design do Inspiramais.

“Resistência” é o tema inspirador para o Verão 2019, que poderá ser apreciado no Projeto Conexão Inspiramais e durante a Palestra ministrada pelo coordenador do Núcleo de Design da Assintecal, Walter Rodrigues.  Outros projetos expostos no Inspiramais anteciparão o Inverno 2019, como Preview do Couro, + Estampa, Referências Brasileiras.

N E G Ó C I O S
Para estimular a abertura e a geração de novos negócios, o Inspiramais promoverá também a realização de Missões Empresariais, em parceria com os principais polos produtivos brasileiros, viabilizando a vinda de fabricantes de calçados, acessórios e roupas ao Salão.

Vale ressaltar a participação cada vez mais significativa de empresas de confecção e têxtil no Inspiramais, setor que assume papel importante no Salão, único do gênero na América Latina. Desde a edição realizada em janeiro/ 2017, o setor de confecção já representa 30% dos visitantes por meio da participação de importantes players do setor têxtil e de confecção.

Consagrado como referência e centro de negócios para fabricantes de moda e design de calçados, confecção, bolsas e acessórios interessados em ampliar seus mercados dentro e fora do Brasil, o Inspiramais também contará com o Projeto Comprador, recebendo empresas da América Latina e Europa. Na última edição, os negócios da moda realizados nos dois dias superaram a marca de US$ 3 milhões.

J O R N A L I S T A S   I N T E R N A C I O N A IS
Como principal evento do gênero na América Latina, o Inspiramais apresentará a identidade da construção da moda brasileira para jornalistas e formadores de opinião de países da Europa e América Latina, como Inglaterra, França, Itália, Peru, Colômbia, México, Uruguai e Argentina.

A vinda dos jornalistas será possível por conta do Projeto Imagem, uma iniciativa da Assintecal e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), através do By Brasil Components and Chemicals – ação de incentivo às exportações.

S U S T E N T A B I L I D A D E

Nesta edição do Inspiramais os visitantes conhecerão o Espaço Sustentabilidade, que apresentará matérias-primas desenvolvidas em integração com as demandas socioambientais, com minimização do impacto negativo ao meio ambiente e na sociedade, sob a curadoria de Flávia Vanelli, do Núcleo de Design da Assintecal.

Durante o Inspiramais, estes lançamentos serão identificados com ficha técnica e trarão a localização do estande do desenvolvedor, o que permite aos visitantes conhecerem em detalhes os produtos da empresa, abrindo caminho para novas oportunidades de negócios.

“O Espaço da Sustentabilidade pretende fornecer conhecimento aos empresários sobre soluções inovadoras em materiais sustentáveis no mercado brasileiro de componentes. Neste sentido, os materiais selecionados precisam estar adequados com as demandas socioambientais, ou seja, a garantia de produtos menos nocivos sob o ponto de vista ambiental e social desde a sua origem. As empresas participantes receberam curadoria, com intuito de assegurar a mostra de um produto sustentável, relevante e competitivo”, conta Flávia Vanelli.

Sustentabilidade no Varejo e na Industria – Cases de sucesso em Sustentabilidade, de grandes nomes do varejo, serão apresentados pela Associação Brasileira do Vestuário (ABVTEX). Já a indústria estará representada por meio do programa Origem Sustentável, que promove o alinhamento da indústria de calçados e de componentes nacionais com iniciativas globais de sustentabilidade.

V E R Ã O 2 0 1 9

Por Walter Rodrigues

O tema do Verão 2019, esta centrado na palavra Resistência – ela traduz um sentimento de resistir ao que amamos, apesar das dificuldades e da intolerância, tão visíveis neste momento em que vivemos.

Para suplantar esta sensação de pessimismo presente no nosso cotidiano, a moda deverá explorar a riqueza dos efeitos decorativos, no qual denominamos Over Info. Outro ponto importante é a questão da volumetria, as formas estão impactantes, elas expressam a teatralidade. Finalizando nossas inspirações para o Verão 2019, temos o Bloco de Cor, onde o dinamismo das cores será trabalhado em novas combinações.

O Verão 2019 estabelece uma narrativa de otimismo, onde o folclore determina uma forte relação com as culturas do mundo. A intolerância representada, por partidos políticos, os conflitos relacionados aos refugiados sírios e a política externa do governo Trump, tem criado uma reação muito importante, ao se negar estas culturas, cria-se um movimento contrário que as valoriza, enfatizando as cores vivas e os desenhos tradicionais que representam estas culturas passam assim a receber uma atenção maior da moda. E como moda é comunicação esta combinação se torna explosiva e incontrolável.

Q U E M F A Z

O Inspiramais é promovido pela Assintecal, ByBrasil – Components and Chemicals, ABIT, TexBrasil, CICB,  Brazilian Leather, SEBRAE e Apex-Brasil; tem patrocínio da Cipatex, Brisa, Intexco, Altero, Branyl, Caimi&Liaison, Havir, Bertex, York, Colorgraf, Cofrag, Britânnia Têxtil, WOLSFTORE, Sappi Dinaco, ENDUTEX, Grupo Lunelli e Tecnoblu e apoio da ABEST, ABICAV, Abicalçados, IBGM, IBB, In-Mod, ABV-Tex, Ápice e Abimovel.

Informações para imprensa

www.agenciacapsula.com.br
55 12 3302-8672

Carlos Lopes: 11 98923-0749 | carloslopes@agenciacapsula.com.br

Cimey Gadelha: 11 9 8907-8628 | cimeygadelha@agenciacapsula.com.br”

Referências:Confirmado para os dias 16 e 17/01, Inspiramais antecipará Verão 2019 exaltando sustentabilidade, 2017.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticia/confirmado-para-os-dias-16-e-1701-inspiramais-antecipara-verao-2019-exaltando-sustentabilidade” Acesso em: 10 de novembro de 2017.”

COMO A BIOTECNOLOGIA ESTÁ MOLDANDO O FUTURO DA MODA SUSTENTÁVEL

O site da Associação Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal):

Alguns dos desenvolvimentos mais excitantes da moda não estão acontecendo na passarela mas sim nos laboratórios. Com o crescente interesse da indústria da moda em descobrir novas matérias primas, técnicas de tingimento e métodos de fabricação mais éticos e sustentáveis, cientistas utilizam a biotecnologia para revolucionar os atuais métodos de produção, eliminando o desperdício e poluentes.

Pesquisadores e startups de todo mundo apresentam a cada dia novas descobertas e produtos para o mercado. Veja a seguir alguns dos mais excitantes desenvolvimentos que têm o potencial de mudar o futuro da moda.

Corantes naturais produzidos por algas e bactérias

Grandes volumes de resíduos perigosos e de águas residuais são produzidas a partir de diversos processos têxteis que usam corantes sintéticos. De acordo com o Banco Mundial, as indústrias de tingimento produzem 20% da água poluída na industrial que são despejados sem tratamento nos rios e lagos de países asiáticos que concentram a maior produção têxtil mundial. Para criar uma alternativa mais sustentável, pesquisadores estão apostando nas algas e bactérias para se obter novos corantes naturais.

O projeto espanhol SEACOLORS é um centro de pesquisa nas Ilhas Canárias montado pelo Banco Espanhol de Algas (BEA) para validar um novo processo de fabricação de corantes naturais através de uma fonte sustentável e renovável, as algas. Para substituir os corantes sintéticos, a nova solução deve ser capaz de fornecer uma ampla gama de cores, e consequentemente, uma alta variedade de tons.

A PILI é uma empresa francesa de biotecnologia que visa desenvolver novos processos para a produção biológica de corantes renováveis e biodegradáveis, oferecendo uma alternativa aos poluentes corantes sintéticos que são utilizados principalmente nas indústrias têxtil, tintas e cosmética. A ideia é utilizar as bactérias do solo para produzir naturalmente belos pigmentos coloridos por suas características orgânicas e recicláveis. Veja toda matéria neste link.

Natsai Chieza é uma biodesigner da Faber Futures e na Ginkgo Bioworks, onde ela está trabalhando num método que usa pigmentos secretados por bactérias para tingir tecidos. A técnica reduz drasticamente o consumo de água e o próprio pigmento é naturalmente criado pelas bactérias.

Couro líquido feito de colágeno

Couro pode ser durável e não tão descartável como muitos dos materiais favoritos da moda, mas em países como China e Índia que são grandes produtores de couro, o processo de curtimento utiliza produtos químicos tóxicos que poluem o meio ambiente e intoxicam os trabalhadores.

O couro é um subproduto da indústria da carne, e a indústria do couro ajuda a reduz o desperdício mas essa lógica não desperta o interesse dos ativistas dos direitos dos animais que buscam trabalhar com os chamados “couros veganos”. Este é o lugar onde entra a Modern Meadow, uma empresa que fabrica couro líquido em laboratório usando fermentação de levedura para produzir colágeno. A produção do couro líquido Zoa da Modern Meadow não precisa de animais, reduz o desperdício pois o material pode ser feito no formado exato e elimina os produtos químicos envolvidos.

As grandes possibilidades de design personalizável do novo material resultou em mais de 130 empresas procurando a Modern Meadow para colaborações. Os primeiros produtos com couro Meadow Modern serão lançados por marcas de luxo e moda esportiva no próximo ano.

Tecidos feitos de algas

As algas crescem mais rápido do que qualquer organismo na Terra, incluindo bambu. Então, por que não estamos explorando essa abundante matéria prima renovável em vez de destruir florestas nativas para criar tecidos como rayon e viscose?

Essa é a proposta da AlgiKnit, um grupo de pesquisa em biomateriais formado por ex-estudantes do FIT e Pratt de Nova York que se reuniram para competir e ganhar o prêmio BioDesign Challenge em 2016, desenvolvendo um fio fabricado a partir de biopolímeros extraídos de algas.

Como a lã ou algodão, o material é durável o suficiente para uso a longo prazo, mas ainda totalmente biodegradável. A equipe espera que seus fios à base de algas possa ser capaz de substituir as fibras sintéticas a base de petróleo algum dia. Saiba mais nesse link.

Seda sintética de aranha

A seda da aranha é uma seda incrivelmente durável, elástica e mais forte que o aço, mas como as aranhas são canibais, elas não podem ser cultivadas como os pacíficos bichos da seda. Como resultado, a seda de aranha é excepcionalmente cara e inviável de se produzir em larga escala.

Mas algumas startups de biotecnologia conseguiram contornar esse problema criando seda de aranha sintética, como é o caso da empresa americana Bolt Threads que lançou  o primeiro produto de seda de aranha disponível comercialmente no mundo em março. A startup fez uma parceria com a estilista Stella McCartney para criar algumas peças de seda de aranha sintética, um dos quais foi exibido na exposição “A Moda é Moderna?” no MOMA.

Além do método de fabricação sustentável da nova fibra, ela absorve o corante melhor do que a seda tradicional. A união da tecnologia e sustentabilidade na indústria da moda está dando excelentes frutos.

Tecidos feitos de bactérias que se alimentam de metano

A inovação tecnológica para se criar uma indústria da moda circular não pára. Ao usar o gás metano como base para se fabricar fibras biodegradáveis PHA, a startup americana Mango Materials quer criar um novo modelo para fabricação de tecidos e roupas em circuito fechado, que ajudar a reduzir a quantidade de resíduos gerados pela indústria têxtil e limpar a atmosfera.

Roupas feitas a partir do novo material, uma versão biológica do poliéster, podem ser compostadas quando se desgastam, mas se acabarem num aterro sanitário, irão se biodegradar naturalmente e o metano liberado no aterro poder ser capturado para fazer uma nova fibra.

Reciclagem química de fibras têxteis

A busca por um sistema de moda circular onde cada componente de uma peça de roupa pode ser re-utilizada no final de sua vida, está aumentando, com algumas marcas de moda pedindo que seus clientes doem suas roupas velhas para reciclagem. Mas a verdade é que a tecnologia atual de reciclagem mecânica de roupas velhas não é eficiente.

Um avanço recente feito pelo Instituto de Pesquisa Têxteis e Vestuário de Hong Kong (HKRITA) em parceria com a Fundação H & M, uma organização sem fins lucrativos financiada pela mesma família sueca que fundou o grupo H & M , pode começar a resolver isso. A HKRITA anunciou em setembro que tinha desenvolvido com sucesso um método para separar o algodão e poliéster em misturas de poli-algodão que permitiriam que ambos os materiais possam ser reciclados em novos fios.

O processo utiliza o calor, quantidades mínimas de água e menos do que 5% de  química verde biodegradável para separar as fibras. O poliéster pode ser reutilizado perda de qualidade, como resultado do processo. O objetivo da colaboração é o de facilitar o desenvolvimento de uma indústria da moda circular onde os resíduos têxteis possam ser reciclados continuadamente. O melhor de tudo é que a tecnologia será disponibilizada para a indústria da moda global. A descoberta é um grande avanço na jornada rumo a um circuito fechado para os têxteis.

Referências:Como a biotecnologia está moldando o futuro da moda sustentável, 2017.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticia/como-a-biotecnologia-esta-moldando-o-futuro-da-moda-sustentavel” Acesso em: 08 de novembro de 2017.”

SHIMA SEIKI APRESENTA SUA NOVA MÁQUINA DE IMPRESSÃO DIGITAL TÊXTIL SIP-160F3

Resultado de imagem para SIP-160F3

O site da Associação Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos informa (Assintecal):

A fabricante japonesa de máquinas computadorizadas de tricô, Shima Seiki, lançou a SIP-160F3, sua mais recente máquina de impressão digital de mesa que é capaz de fazer belas impressões coloridas numa variedade de tecidos. Os corantes reativos, corantes ácidos e tintas pigmentadas podem ser usados em diferentes tipos de aplicações de impressão. A SIP também tem a capacidade da imprimir com pigmento branco.

A SIP-160F3 foi desenvolvida para atender ao crescente mercado de impressão digital para tintas pigmentadas sobre tecidos, (DTG) a tecnologia de impressão direta sobre a roupa acabados como camisetas, vestidos, lenços, calças jeans e toalhas. A cabeça de impressão pode ser aumentada ou reduzida de acordo com a espessura do substrato, permitindo que a impressão em tecidos com texturas 3D e produtos acabados.

Confira o vídeo: https://youtu.be/rMxsVJ8pwY4 

A SIP imprime sobre uma superfície de impressão plana e larga com pigmentos diretamente sobre tecidos e malhas feitas de fibras naturais como algodão, lã, cashmere, linho, seda, mohair entre outros. O bom dessa impressora digital é poder estampar roupas prontas ou tecidos em pequena escala e sob demanda, sem causar poluição e desperdícios.

Sistema de design 3D

A SIP-160F3 é uma impressora de mesa que utiliza o sistema de design APEX3 3D da Shima Seiki SDS-ONE. O sistema de gerenciamento de cores em APEX3 oferece simulações precisas da peça impressa para verificação antes de imprimir. O sistema impede que a malha se mova sobre a mesa e distorça a estampa pois a impressora está montada sobre um suporte, e se desloca de um lado a outro sobre a roupa ou tecido.

Uma das empresas que utilizam a nova tecnologia é a Faering, que oferece impressão digital têxtil personalizada em malharia de luxo. A Faering, é uma empresa australiana que imprime digitalmente sobre lã, fibras naturais e também sobre couro e camurça. A SIP-160F3 imprime imagens coloridas em alta resolução até mesmo sobre as costuras e bolsos de calças jeans. Essa é uma impressora digital perfeita para empresas de private label, estamparias ou marcas de moda focadas em estampas.

Referências:Shima Seiki apresenta sua nova máquina de impressão digital têxtil SIP-160F3, 2017.Disponível em:”http://www.assintecal.org.br/noticia/shima-seiki-apresenta-sua-nova-maquina-de-impressao-digital-textil-sip-160f3” Acesso em: 07 de novembro de 2017.”